Um primeiro olhar…

Na vida, não existe uma verdade absoluta, que não possa ser contestada, mesmo que em vão. Uma história ganha diferentes elementos cada vez que uma nova pessoa tenta conta-la novamente, podendo até ser totalmente modificada ao final do processo. Uma mesma situação pode ser encarada com o pessimismo de uns ou com o otimismo dos outros. Uma grande invenção pode levar o homem aos céus ou possibilitar ataques aéreos. Tudo depende do olhar de cada um.

Olhares inquietantes transformam o mundo – ou nossa maneira de viver nesse planeta. Nesse cotidiano tão tecnológico e digital, Steve Jobs conseguiu revolucionar o que já tinha sido revolucionário. Se Graham Bell entrou para a história colocando as pessoas para falarem ao telefone, Jobs mostrou que o aparelho serviria para tudo… menos falar. Exageramos na colocação? Pode ser… Mas é inegável que as pessoas adotaram o smartphone para navegar na web, acessar as redes sociais, trocar mensagens instantâneas, fazer selfies e até encontrar o crush do dia!

Porém, em tempos de polarização e ânimos acalorados, as inovações ajudar a mudar o olhar sobre o outro. Da ideia que nasceu dentro da universidade até a maior referência das redes sociais, Mark Zuckerberg fez do Facebook um grande celeiro de amizades. Parentes e amigos distantes foram resgatados, sofrimentos e alegrias do dia a dia compartilhados. Nossa! O mundo ficou pequeno e acessível pelo Face. Então, veio a política… “Coxinhas” e “mortadelas” que dividiam a mesa de bar e as rodas de samba se redescobriram na timeline da rede e não gostaram do que viram, colocando um fim naquela relação nos âmbitos virtual e real.

Mas há quem lança um outro olhar para assuntos tabus, ousando questionar crenças tradicionais da mais tradicional instituição mundial. Falando abertamente sobre aborto e homossexualidade, por exemplo, Papa Francisco inaugura uma nova era da Igreja Católica, atraindo a simpatia e o apoio de seguidores de outras religiões e até mesmo de ateus. Seu olhar, particular e corajoso, incita reflexão, mudança, tolerância, respeito e humanidade. Mesmo em tempos sombrios e com alguns atos tão desumanos.

Até aqui, acreditamos que já tenha ficado claro que “olhar” não se restringe ao sentido da visão. Para que não reste dúvidas, olhemos para Dorina Nowill. Nascida em 1919, a paulistana ficou cega aos 17 anos. Para aquela época, esse era um diagnóstico “fatal”. Porém, longe dos mais modernos conceitos feministas ou do empoderamento feminino tão mencionado atualmente, encarou aquela situação de maneira revolucionária. Assim, tornou-se a primeira aluna cega a frequentar um curso regular na escola, fez especialização nos Estados Unidos, criou a Fundação para o Livro do Cego no Brasil e construiu um legado de inclusão, que segue adiante por meio da Fundação Dorina Norwill para Cegos. Onde aparentemente havia só escuridão, Dorina viu a possibilidade de uma vida mais segura e independente para ela e demais vítimas de cegueira.

Poderíamos mencionar aqui, nesse texto, muitos outros exemplos de pessoas com ideias ou comportamentos diferenciados, capazes de revelar uma possibilidade inovadora diante desafios pessoais ou profissionais. Mas esse é apenas nosso primeiro post. O primeiro de muitos que buscarão destacar que basta olhar diferente!

 #bastaolhardiferenteparaavida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s